Nos últimos quinze anos a instituição já acolheu mais de 400 meninas que sofreram algum tipo de violência, seja pela ação ou pela negligência dos seus responsáveis. Muitas dessas meninas estão fazendo faculdade ou já estão formadas em direito, nutrição, fisioterapia, assistência social, medicina, enfermagem e outros cursos. Todas elas se tornaram um agente transformador da sociedade. Atualmente a ONG desenvolve um trabalho com mais de 5 mil crianças. Além disso, há pouco mais de um ano nos envolvemos em uma nova causa, mostrar que Síndrome de Down não é doença, é amor, e estamos lutando pela inclusão e um mundo melhor para eles.

A ONG realiza um trabalho com as famílias dentro de suas próprias casas, o objetivo é proporcionar recursos para que esta família se torne independente financeiramente. Analisamos caso a caso de forma diferenciada e buscamos junto aos voluntários o apoio necessário. Se a família está morando em casas de lona tentamos conseguir uma casa própria ou buscamos alguém disposto a pagar o aluguel desta família, normalmente por um ano. Neste caso, o papel da ONG é simplesmente promover o encontro entre a família e a pessoa que estará ajudando, a partir daí é tudo entre eles, o voluntário procura e aluga a casa, e acompanha o desenvolvimento desta família. Quando recebe ajuda a família se esforça para encontrar meios de progredir e para o voluntário nada supera a alegria de saber que ele foi essencial nesse processo de estabilidade financeira. Até hoje já conseguimos casas para muitas famílias e esperamos que este número aumente.

Durante esse período de um ano, a ONG busca meios para que esta família consiga a casa própria ou para que se torne independente de ajuda. São muitas as mulheres que eram vítimas de violência e que hoje tomaram o controle de suas próprias vidas. Um dos exemplos é o da Maria, gari, analfabeta, foi morar numa casa de lona para que as três filhas pudessem estudar, o dinheiro economizado no aluguel virou transporte para a escola. Na casa de lona Maria sofria muita violência, foi esfaqueada na frente das filhas. A ONG conseguiu um voluntário para pagar o aluguel por um ano para a família da Maria, mas em menos de seis meses elas já estava na casa própria com a ajuda da ONG. Hoje ela mesma comprou seus móveis e pagou sozinha para fazer o muro.

Os casos de violência faz com que tenhamos que retirar famílias as pressas de seus agressores trazendo muitas despesas para a instituição, um casal de colaboradores que acompanha de perto o nosso trabalho decidiu doar para a ONG um terreno para que trinta casas sejam construídas para as famílias que vivem em situação de risco.

A ONG Meninas de Deus funciona como uma mãe que quer ver o filho feliz, protegido e abençoado. Lutamos mesmo pelas pessoas! Buscamos o que for necessário, alguém que pague cirurgias, tratamentos, clínicas para usuários de crack e outras drogas, pessoas dispostas a doar roupas, calçados, alimentos, brinquedos. Temos as mamães adotivas dos mais de 700 bebês que ajudamos, elas ficam responsáveis por conseguir fraldas, roupinhas, leite e o que mais eles estiverem precisando e elas mesmas providenciam a entrega. As doações são sempre feitas diretamente às famílias. Funcionamos apenas como um canal entre as pessoas que querem ajudar e as famílias em situação de risco.

No ano de 2016 identificamos muitas crianças com os dentes completamente estragados, divulgamos essa necessidade nas nossas redes sociais e em menos de dez minutos ja tínhamos vinte dentistas voluntários dispostos a ajudar e o SESI nos procurou para emprestar a unidade móvel de atendimento odontológico. Em seis meses atendemos até com cirurgias mais de 500 crianças, e algumas mães receberam até implante dentário.

A credibilidade da ONG é indiscutível, sempre que postamos nas nossas redes sociais os problemas das famílias a sociedade se envolve. No início do ano fazemos ações de volta às aulas para conseguirmos material escolar para mais de mil crianças porque muitas ficam sem estudar já que os pais não têm condições de comprar nem um único caderno. No dia das crianças e no Natal doamos mais de 10 mil brinquedos e fazemos uma grande festa, mas as nossas ações acontecem toda semana nas comunidades onde atuamos.

São muitos os voluntários que estão sempre dispostos a ajudar com o seu trabalho na área da saúde e em outras áreas. Temos médicos, enfermeiros, dentistas, engenheiros, arquitetos, pedreiros, advogados, fotógrafos, promotores, e outros profissionais que ajudam de forma totalmente voluntária.

Em relação às meninas em vulnerabilidade social, a nossa experiência demonstrou que a criança que sofre violência cresce acreditando que não possui nenhum valor e, de certa forma, aceita os sofrimentos vivenciados, pois nem ela se importa mais consigo mesma. Quando necessário buscamos dentro do próprio núcleo familiar uma família substituta que acolha a criança ou adolescente em situação de vulnerabilidade social.

Quando acolhemos uma criança e lhe mostramos que ela é importante para nós, para o mundo, que é um indivíduo único e amado, todo o sentimento de dor, indiferença e revolta são colocados de lado. E assim começa a transformação. A criança que se sente protegida, melhora sua auto estima, renova suas esperanças e passa a viver de forma mais saudável, livre para ser criança, para brincar e explorar o mundo ao seu redor.

E à medida que cresce, essa pessoa transformada se torna um agente transformador em sua comunidade, acolhendo e ajudando outras crianças em vulnerabilidade social. Esse ciclo de transformação pessoal e social é um dos principais objetivos da ONG Meninas de Deus, pois sabemos que se ajudamos uma criança hoje, não teremos que restaurar um adulto amanhã!